SOLO: Carol from Lisbon

Sport

SOLO: Carol from Lisbon

por3 Abr 2017 lmanifesto

Fomos até uma das zonas mais históricas da cidade de Lisboa para conhecer Carolina Freitas e o recente projecto Carol From Lisbon. Foi no Wonder Room da ModaLisboa (e no Instagram) que o descobrimos, mas foi na Mouraria que encontrámos o atelier e showroom da jovem designer.

 

Texto: Filipa Leal

Fotografia: Soraia do Carmo

Chegámos ao Centro de Inovação da Mouraria e Carol esperava-nos, junto ao portão, com um forte sorriso e uma camisola de malha salpicada com pompons (que desconfiámos de imediato que tivesse o seu dedo de customização). Licenciada em Design Gráfico, Carol contou-nos como surgiu a sua primeira aventura no mundo da moda: tudo começou na Áustria, onde se iniciou na ilustração, num programa de Erasmus.

“Comecei com um projecto de "paste ups" e fui desenvolvendo a parte da ilustração, o que foi muito bom para mim porque, até aí, só tinha explorado a parte gráfica. Criei uma colecção de desenhos que comecei a espalhar pela rua, e que depois passaram para T-shirts.”

Desta experiência não restam apenas boas memórias – as ilustrações tiveram a sua continuação em Portugal e estão disponíveis para venda, em prints limitados. Mas, terminado o curso de Design Gráfico, Carol teve, então, o seu primeiro contacto com o mundo da moda ao estagiar com a dupla Os Burgueses.

“Era um bocado uma mistura de ilustração e moda, que era aquilo que eu gostava – gosto imenso de design, mas também adoro moda. Foi muito giro. Eu fazia o design dos padrões dos tecidos e foi a primeira vez que tive contacto com o mundo da moda, foi muito bom para mim.”

“Depois de terminar o estágio, fui fazendo outros trabalhos e, cerca de um ano depois, convidaram-me para fazer uma exposição no Primeiro Andar, onde tinha precisamente as minhas ilustrações e as tais T-shirts. Foi onde comecei a fazer a customização de peças em segunda mão, inicialmente só com pintura, e correu muito bem.”

Com esta ideia, surgiu a necessidade de desenvolver mais seriamente um conceito que assentasse no reaproveitamento e customização de peças de roupa, e definir e estruturar todo um novo projecto. Foi no Centro de Inovação da Mouraria que Carol encontrou o apoio que precisava para desenvolver esta ideia, um creative hub e uma incubadora que disponibiliza espaços de trabalho e todas as condições para apoiar projectos e ideias de negócio das indústrias criativas.

“Em Novembro de 2016, vim ao Centro de Inovação da Mouraria, conhecer o espaço. Fiquei super interessada e enviei uma candidatura com o meu projecto, estou cá incubada desde essa altura. Mas, quando enviei o meu projecto, tive de me focar numa das áreas e acabei por escolher esta parte da customização de roupa vintage e peças que vou encontrando em feiras. Os meus pais costumavam levar-me muitas vezes a feiras, por isso ganhei esse hábito. Então, as peças são, normalmente, de feiras, de lojas que fecham, ou peças que já não têm produção, e que eu vou comprando.”

“Comecei com tintas em spray, que é o que eu uso para pintar os tecidos, e depois passei para as aplicações. Agora vou começar a fazer serigrafia, o que vai ser muito bom porque vou conseguir conciliar o projecto, precisamente, com a parte da ilustração. Quero evoluir para esta área, mas sem deixar a parte das roupas vintage ou em segunda mão; ou seja, quero conseguir reproduzir ilustrações em T-shirts, por exemplo, utilizando a técnica da serigrafia, mas mantendo as mesmas bases. Espero dar alguma diversidade ao meu trabalho e conseguir responder com maior rapidez aos pedidos, embora os produtos continuem a ser únicos. As T-shirts são um conceito ainda por explorar, mas gostava de pegar em peças com defeito, que não fossem para o mercado ou não fossem vendidas em grandes quantidades, para reaproveitar e manter o elo de ligação.”

“Tenho muitos materiais em casa e foi assim que comecei. As tintas que usei nos primeiros casacos sobraram de um graffiti que fiz com um amigo, no muro azul do Hospital Júlio de Matos. Estas aplicações também eram coisas que já tinha, veludos, pérolas e etc. Como ainda estou no início, estou numa fase de aproveitar tudo o que encontro em casa. Primeiro, tento reaproveitar tudo o que puder, tecidos, passamanarias, aplicações, e depois, se me faltar alguma coisa, normalmente procuro no Martim Moniz.”

“Estas garras eram de um casaco branco de pele, que já não dava para customizar. Só conseguia aproveitar algumas partes, por isso usei esse material para recortar as garras. Tenho outro casaco, com letras coladas nas costas, que também também foram recortadas dessa mesma peça.”

“Comecei há muito pouco tempo e, realmente, a ModaLisboa foi o primeiro sítio onde pude mostrar (e vender) o meu trabalho. Foi muito giro ver a reacção das pessoas às peças, passarem, tocarem, elogiarem... Até agora, só tinha mostrado a familiares e amigos e é sempre diferente, acho que ainda me dá mais gozo saber que estas pessoas, que não me conhecem, gostaram. Este projecto, Carol From Lisbon, tem o meu nome e tem muito de mim, é uma extensão de quem eu sou... E eu sou muito assim, adoro detalhes, adoro coisas assim mais fora, com um toque especial. Foi muito bom ver que o público respondeu bem a isso.”

“Houve pessoas que não compraram logo na ModaLisboa, mas ficaram com o meu contacto e já tenho alguns pedidos. Deram-me as bases, ou seja, peças deles, e deram-me total liberdade para customizar como eu quisesse. Também gosto de trabalhar assim e renovar as roupas das pessoas, alguma peça especial mas que já tem um buraco, ou que era da avó, ou de alguém importante... Eu adoro roupa vintage e acho super interessante prolongar a história e a vida de uma peça de roupa. Acho que pode haver um lado sentimental e emocional ligado à roupa, sem ser só comprar, usar e deitar fora.”

“Já há tanta coisa, tanta roupa, tantas lojas e tanta gente a customizar peças, que o que eu tento fazer é acrescentar alguma coisa de novo. Por exemplo, aquele casaco podia dizer só “Wild Beast”, mas além disso também tem as tais garras, que lhe dão uma certa graça. É uma tentativa de ser diferente e fazer algo original. Há tanta coisa, que acho que é interessante fazer peças únicas, que sabes mais ninguém vai ter uma igual.”

Para informações e pedidos especiais, a Carol pode ser contactada através da sua conta de Instagram (@carolfromlisbon) e todos os seus trabalhos estão disponíveis no showroom O Lagar (@showroomolagar), localizado no Centro de Inovação da Mouraria. Entretanto, ficamos a aguardar ansiosamente pelo lançamento de novas peças e exposições!

El Corte Inglés Logo

© 2017 L Manifesto